quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Uma nota de sabedoria


Ninguém sabe dizer o que aconteceu com Kákua, depois que ele deixou o Palácio Imperial.
Diz a história que Kákua foi o primeiro japonês que estudou Budismo Zen na China.
Nunca viajou; meditava apenas.
Sempre que o encontravam, pediam-lhe que saísse a pregar.
Mas ele dizia meia dúzia de palavras e desaparecia para outro ponto da floresta, tornando-se mais difícil encontrá-lo.
Um dia, tendo voltado ao Japão, o Imperador pediu-lhe que pregasse o Budismo Zen a ele próprio e a toda a sua corte.
Kákua ficou de pé, muito calado, diante do Imperador, depois de ouvi-lo; tirou das dobras do seu manto uma flauta que ali tinha escondida e soprou nela apenas uma nota.
Inclinou-se, depois, profundamente, em saudação ao Imperador e foi-se embora.
 
Eis o que diz Confúcio: "Não ensinar um homem já maduro é desperdiçar o homem. Ensinar um homem ainda não maduro é desperdiçar palavras."
Anthony de Mello
O canto do pássaro
Lisboa, Ed. Paulinas, 1998
 
A Equipa Coordenadora do Clube das Histórias
 

Sem comentários:

Loading...