sábado, 28 de fevereiro de 2009

NA LINGUI YO from STAFF BENDA BILILI



Novo olhar sobre algumas dos mais relevantes edições discográficas para o primeiro trimestre de 2009 com destaque óbvio para o grupo congolês Staff Benda Bilili. Um colectivo de músicos de rua paraplégicos oriundos de Kinshasa que deveriam ter estado na última edição da WOMEX (caso não tivesse havido a habitual dificuldade na obtenção de visto para entrada na Europa). "Très Très Fort" é o primeiro álbum dos Bilili, editado pela etiqueta belga Crammed Discs, que poderia ser uma espécie de terceiro volume da série Congtronics. De referir que o produtor deste disco é Vincent Kenis, responsável pelo som electro-rústico de Kasaï Allstars e Konono nº1.

daqui


mais informação aqui

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Semana da Leitura na BECRE D.Paio Peres Correia (Tavira), de 2 a 6 de Março - Programa












clicar nas imagens para ampliar

Beatles - "Get Back" - filme inédito!

Atenção: isto é uma relíquia dos anos 60! Não é para quem tem 60 anos, ou para quem anda lá perto: é dos anos 60... e é para todos!
Vale a pena... desfrutem....

Beatles - Um filme inédito - Get Back

Não sei se sabem a história: dizem que a letra dessa música, que manda alguém voltar para o lugar de onde veio, foi escrita pelo Paul McCartney em 'homenagem' à Yoko Ono. O vídeo mostra a gravação em estúdio e as trocas de olhares entre as personagens são muito interessantes.

Para quem «curte» um pouco de estória e de história (por que não?).

Esse vídeo foi achado nos escombros da antiga gravadora dos Beatles (Abbey Road Studios) e mostra uma sessão de gravação de uma famosa música dos Beatles (GET BACK), já no crepúsculo do grupo.

Mais histórico ainda: vêem-se dois artistas individuais na gravação, hoje consagrados:
Participando como key board das gravações, o grande pianista negro americano Billy Preston (que, posteriormente, faria uma carreira a solo brilhante); e assistindo (pasmem!) à gravação - lá pela altura do minuto 02:11 - o líder de um grupo que já começava a fazer sucesso como substituto natural dos Beatles, Mick Jagger!

O Voo do Moscardo - Nikolai Rimsky-Korsakov (1844-1908)

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

A Cidade dos Resmungos

Era uma vez um lugar chamado Cidade dos Resmungos, onde todos resmungavam, resmungavam, resmungavam. No Verão, resmungavam que estava muito quente. No Inverno, que estava muito frio. Quando chovia, as crianças choramingavam porque não podiam sair. Quando fazia sol, reclamavam que não tinham o que fazer. Os vizinhos queixavam-se uns dos outros, os pais queixavam-se dos filhos, os irmãos das irmãs. Todos tinham um problema, e todos reclamavam que alguém deveria fazer alguma coisa.

Um dia chegou à cidade um vendedor ambulante carregando um enorme cesto às costas. Ao perceber toda aquela inquietação e choradeira, pôs o cesto no chão e gritou:
— Ó cidadãos deste belo lugar! Os campos estão abarrotados de trigo, os pomares carregados de frutas. As cordilheiras são cobertas de florestas espessas, e os vales banhados por rios profundos. Jamais vi um lugar abençoado com tantos benefícios e tamanha abundância. Por quê tanta insatisfação? Aproximem-se, e eu mostrar-lhes-ei o caminho para a felicidade.
Ora, a camisa do vendedor ambulante estava rasgada e puída. Havia remendos nas calças e buracos nos sapatos. As pessoas riram ao pensar que alguém como ele pudesse mostrar-lhes como ser feliz. Mas, enquanto riam, ele puxou uma corda comprida do cesto e esticou-a entre dois postes na praça da cidade.
Então, segurando o cesto diante de si, gritou:
— Povo desta cidade! Aqueles que estiverem insatisfeitos escrevam os seus problemas num pedaço de papel e ponham-no dentro deste cesto. Trocarei os vossos problemas por felicidade!
A multidão aglomerou-se ao seu redor. Ninguém hesitou diante da oportunidade de se livrar dos problemas. Todos os homens, mulheres e crianças da vila rabiscaram a sua queixa num pedaço de papel e lançaram-no no cesto.
Observaram o vendedor que pegava em cada problema e o pendurava na corda.
Quando terminou, havia problemas a tremularem em cada polegada da corda, de um extremo a outro. Disse então:
— Agora cada um de vocês deve retirar desta linha mágica o menor problema que puder encontrar.
Todos correram para examinar os problemas. Procuraram, manusearam os pedaços de papel e ponderaram, cada qual tentando escolher o menor problema. Ao fim de algum tempo, a corda estava vazia.
Eis que cada um segurava o mesmíssimo problema que tinha colocado no cesto. Cada pessoa havia escolhido o seu próprio problema, achando ser ele o menor de todos.
Daí por diante, o povo daquela cidade deixou de resmungar constantemente. E sempre que alguém sentia o desejo de resmungar ou de reclamar, pensava no vendedor e na sua corda mágica.
William J. Bennett
O Livro das Virtudes II
Editora Nova Fronteira, 1996
(adaptação)
O Clube de Contadores de Histórias
Biblioteca da Escola Secundária Daniel Faria – Baltar

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Entrudo, José Afonso



Entrudo
Composição: José Afonso

Ó entrudo Ó entrudo
Ó entrudo chocalheiro
Que não deixas assentar
as mocinhas ao solheiro

Eu quero ir para o monte
Eu quero ir para o monte
Que no monte é qu'eu estou bem
Que no monte é qu'eu estou bem

Eu quero ir para o monte
Eu quero ir para o monte
Onde não veja ninguém
Que no monte é qu'eu estou bem

Estas casa são caiadas
Estas casa são caiadas
Quem seria a caiadeira
Quem seria a caiadeira

Foi o noivo mais a noiva
Foi o noivo mais a noiva
Com um ramo de laranjeira
Quem seria a caiadeira

Entrudo e Carnaval

Entrudo e Carnaval são duas palavras com etimologias diferentes mas significando este mesmo período que vai desde o Domingo da Septuagésima até à Quarta - Feira de Cinzas.
Entrudo, deriva do latim (introitus) significando "entrada" ou começo do ano, da primavera ou, mesmo, da entrada da Quaresma.
As interpretações, dentro da tradição romana remontam às Saturnalias, festas em honra de Saturno cujos ritos e cerimónias tinham como objectivo despertar do novo ciclo da Mãe / Natureza; às Lupercalias, que se celebravam ao redor do 15 de Fevereiro, assegurando a fecundidade dos homens, animais e campos e às Matronalias, festa dedicada às mulheres que nestas datas tinham poderes especiais sobre os homens!
Quanto à origem Grega provém das festas em honra de Dionísios, Deus do vinho e da inspiração.
É com o aparecimento da cultura cristã que o Entrudo nos aparece como celebração fortemente ligada ao período abstinencial imposto durante o período da Quaresma.
Outras etimologias são atribuídas à palavra carnaval: uma Italiana "Carnevale" isto é proibir a carne, em período de quaresma; uma outra origem celta ou germânica, ligada aos " Carrus Navalis" isto é, barcos com rodas, apresentação tão querida dos romanos que passeavam assim o seu "Carnaval".
Seja como for o Entrudo ou Carnaval seria uma festa cujo significado e vivência estará sempre de acordo com a cultura de cada povo.
Representando um subconsciente colectivo, não deixa de ser, também, uma festa de liberdade, onde tudo é permitido fazer-se, e onde preceitos e costumes se esquecem para permanecer durante três dias o quase "vale tudo".
Válvula de segurança do sistema de poder (cansados da vida rotineira de um ano), há um clássico abrandamento da autoridade no Entrudo sempre mais atenta à problemática social que às manifestações lúdicas e festivas.
Por isso, as máscaras, a censura popular e a moda colectiva de se parodiar toda uma existência satirizando-se, ridicularizando, causticando, virando-se, praticamente, tudo do avesso: os homens viram mulheres; as mulheres, homens e a máscara é a caricatura da própria vida local.
O costume de se brincar no período do
carnaval foi introduzido no Brasil pelos portugueses, provavelmente no século XVI, com o nome de Entrudo.
Já na Idade Média, costumava-se comemorar o período carnavalesco em Portugal com toda uma série de brincadeiras que variavam de aldeia para aldeia. Em algumas notava-se a presença de grandes bonecos, chamados genericamente de "entrudos".
No Brasil, essa forma de brincar — que consistia num folguedo alegre mas violento — já pode ser notada em meados do século XVI, persistindo, com esse nome, até as primeiras décadas do século XX.
A denominação genérica de Entrudo, entretanto, engloba toda uma variedade de brincadeiras dispersas no tempo e no espaço. Aquilo que a maioria das obras descreve como Entrudo, é apenas a forma que essas brincadeiras adquiriram a partir de finais do século XVIII na cidade do Rio de Janeiro. Mesmo aí, a brincadeira não se resumia a uma única forma. Havia, na verdade vários tipos de diversões que se modificavam de acordo com o local e com os grupos sociais envolvidos.
Actualmente, como explica o pesquisador Felipe Ferreira, em
O livro de ouro do carnaval brasileiro, entende-se que existiam, no Rio de Janeiro do início do século XIX, duas grandes categorias de Entrudo: O Entrudo Familiar e o Entrudo Popular.
Os diferentes "Entrudos":
O Entrudo Familiar
Acontecia dentro das casas senhoriais dos principais centros urbanos. Era caracterizado pelo carácter delicado e convivial e pela presença dos
limões de cheiro que os jovens lançavam entre si com o intuito de estabelecer laços sociais mais intensos entre as famílias.

O Entrudo Popular
Era a brincadeira violenta e grosseira que ocorria nas ruas das cidades. Seus principais atores eram os escravos e a população das ruas, e sua principal característica era o lançamento mútuo de todo tipo de líquidos (até sémen ou urina) ou pós que estivessem disponíveis.

Entre esses dois extremos havia toda uma variedade de "Entrudos" que envolviam em maior ou menor grau grande parte da população dos principais centros urbanos do país.
A batalha contra o Entrudo
A partir dos anos 1830, uma série de proibições se sucedem na tentativa, sempre infrutífera, de acabar com a festa grosseira.
Combatido como jogo selvagem, o entrudo continuou a existir com esse nome até as primeiras décadas do século XX e existe até hoje no espírito das brincadeiras carnavalescas mais agressivas, como a "pipoca" do carnaval baiano ou o "mela-mela" da folia de Olinda.
Fonte: Wikipédia http://pt.wikipedia.org/wiki/Entrudo

O Entrudo em Portugal
http://www.attambur.com/Recolhas/entrudo.htm (Trás-os-Montes: Lazarim, Vinhais e Podence)
http://www.attambur.com/Recolhas/Entrudo/entrudo.htm (Baixo-Alentejo: Amareleja)
http://www.gastronomias.com/cronicas/entrudo.htm (Alto Minho: Lindoso)


Entrudo borralheiro, Páscoa soalheira.
Não há Entrudo sem Lua Nova nem Páscoa sem Lua Cheia.
Quem quiser o alho cachapernudo, plante-o no mês do Entrudo.

Desfile de Carnaval na EB 23 D.Paio Peres Correia - Tavira

Semana da Leitura na BECRE D.Paio Peres Correia - 2 a 6 de Março

A Biblioteca Escolar da Escola Dom Paio Peres Correia, pelo terceiro ano consecutivo, associa-se à Semana da Leitura, promovida pelo Plano Nacional de Leitura, que vai decorrer de 2 a 6 de Março.

.
A iniciativa pretende enaltecer e incentivar o prazer de ler cada vez mais, criando na escola um ambiente festivo e envolvendo toda a comunidade escolar. São dinamizadas actividades que fomentem a leitura e o encontro entre os livros e os leitores, na sala de aula, na Biblioteca ou em qualquer espaço.

.
Este ano haverá um concurso de texto narrativo subordinado ao tema «As aventuras do Biblio e da Teca» (mascotes das Bibliotecas do Agrupamento), leituras em vários sotaques, dramatização da peça Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente, por alunos do 9ºano, uma exposição fotográfica sobre as actividades realizadas nas Semanas da Leitura (2007 e 2008), exposição de trabalhos dos alunos e de janelas típicas, oferta de brindes, entrega de prémios, passatempos. Os alunos do 4ºano das escolas de Conceição e Cabanas também virão apresentar uma actividade surpresa!
.
Teremos connosco a professora Fernanda Wu Trabulo para nos falar da sua experiência como escritora e para apresentar o recém-editado livro A Menina dos Cinco Olhos.
A semana encerra com o momento Leitura e Música de mãos dadas, por alunos dos 2º e 3º ciclos.


Será uma semana recheada de novidades!
Não deixem de nos visitar e participar, pois como diz o povo «Não deixes para amanhã o que podes ler hoje!»

A Coordenadora da BECRE

sábado, 14 de fevereiro de 2009

14 de Fevereiro - Dia de São Valentim

Dia de São Valentim
O Dia dos Namorados, tratado em muitos países como Dia de São Valentim, é uma data comemorativa na qual se celebra a
união amorosa entre casais, quando é comum a troca de cartões com mensagens românticas e presentes com simbolismo de mesmo intuito, tais como as tradicionais caixas de bombons em formato de coração. No Brasil, a data é comemorada no dia 12 de Junho, já em Portugal, a data é celebrada em seu dia mais tradicional: 14 de Fevereiro.

Quem foi São Valentim?
São várias as teorias sobre a origem de São Valentim e a sua associação ao Dia dos Namorados. A teoria mais simplista apresenta São Valentim como um simples mártir que, em meados do séc. III d.C., recusou abdicar da fé cristã que professava.
A outra teoria, mais elaborada, defende que, na mesma altura, o Imperador Romano Claudius II teria proibido os casamentos, de forma a angariar mais soldados para as frentes das suas batalhas. No entanto, um sacerdote de nome Valentim, teria violado o decreto imperial, realizando casamentos em segredo. Após ter sido descoberto, Valentim foi preso, torturado e condenado à morte. Enquanto esteve na prisão, ele teria recebido muitas mensagens de encorajamento e flores das pessoas que acreditavam no amor. Surgiu também, durante o seu cativeiro, uma mulher de nome Júlia, filha do seu carcereiro, cega desde nascença, que visitara-o com alguma frequência levando-lhe comida e muita conversa. Diz a história que Valentim, sensibilizado com o problema de Júlia, implorou diariamente a Deus para que a fizesse recuperar a visão. Certo dia, durante uma das suas visitas, uma luz iluminou a cela e Júlia começou a chorar… ela começou a ver. Perante este milagre, toda a sua família converteu-se ao Cristianismo. Claudius II, sabendo desta história e percebendo que Valentim não tinha renunciado o seu Deus, condenou-o à morte. Ambas as teorias defendem que São Valentim fora um sacerdote cristão, fora mártir e que teria sido morto a 14 de Fevereiro de 269 d.C..

.

Quanto à data, algumas pessoas acreditam que se comemora neste dia por ter sido a data da morte de São Valentim. Por outro lado, outros reivindicam que foi a Igreja Católica a decidir celebrar a ocasião nesta data como uma forma de cristianizar as celebrações pagãs da Lupercalia. Resumidamente, Fevereiro era o mês oficial do início da Primavera, sendo considerado o tempo de purificação. O dia 14 de Fevereiro, na Antiga Roma, era dedicado à Deusa Juno – a Deusa das mulheres e do casamento. No dia seguinte, 15 de Fevereiro, iniciava-se a Lupercalia celebrando-se assim o amor e a juventude. Durante os festejos, eram sorteados os nomes dos apaixonados que teriam de ficar juntos, sendo que muitas vezes esses casais apaixonavam-se e casavam. São Valentim, como tinha sido morto a 14 de Fevereiro, foi razão para fazer uma adaptação da Lupercalia ao cristianismo, tornando-o o protector dos enamorados. São Valentim, além de proteger os namorados, é patrono dos Apicultores, e também é invocado contra a Peste.
.

Fonte

Dia se São Valentim

Wikipedia

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

A Rainha do País dos Frutos

I. O PAÍS DOS FRUTOS
O País dos Frutos é um país alto, atravessado por rios imensos e límpidos de luz e pelos caminhos imprevisíveis dos pássaros. Nesse país, os frutos crescem na direcção do chão que é a direcção certa de crescer. No País dos Frutos há cor, sabor, frescura e o tilintar da música que há nas sílabas do nome de todos os frutos. Quando se diz o nome de um fruto é como se o vento fizesse baloiçar as sonoridades delicadas daqueles jogos de canas que se penduram nas árvores ou nas varandas das casas. Por isso se diz que neste país os frutos têm música dentro do nome e luz e cor. E o nome dos frutos escreve-se com as mesmas letras da alegria, da frescura e da liberdade. O País dos Frutos é o país onde tudo começa numa flor, onde o silêncio cresce devagar até tomar a forma duma ameixa, duma maçã, dum dióspiro, duma romã; até tomar a cor do sol para, enfim, escorrer pelos lábios e neles derramar frescura e claridade. No País dos Frutos há milhares e milhares de bandeiras que nada significam: nem compromisso, nem fervor, nem fé. Estão lá porque nasceram lá. Nasceram dum impulso de vida e são agitadas, não pelo frenesim da voz, mas pela alma invisível dos ventos.
O País dos Frutos é um país quente donde o Sol nunca gosta de afastar-se. Sente-se bem naquele país e, desde que se levanta até que se põe, percorre cada coisa com muita lentidão. Nunca tem pressa e por isso passa o tempo a amadurecer os frutos com uma enorme paciência. Todos os dias ao alvorecer, nas hortas e nos pomares, mal pressentem o seu aparecimento, os frutos ficam em alvoroço e começam a dizer uns para os outros:
— Aí vem o nosso amigo! Aí vem o nosso grande amigo Sol!
Aqueles menos bem situados, mais escondidos pelas folhas ou pela sombra de outras árvores vizinhas, tentam apanhar os seus primeiros raios e pedem aos que moram no lado exterior da copa:
— Deixem-nos ir para a vossa janela, deixem-nos ver como caminha lá de longe o Grande Sol para vir ao nosso encontro.
Mas, como se sabe, não é fácil os frutos moverem-se. Não têm pernas e só têm um braço que os prende à árvore. E se há alguns que conseguem, apesar disso, esticar-se, esticar-se até mais acima, há outros que não têm força nem espaço e ficam abafados pelas folhas e pelos outros frutos. É certo que têm a companhia e a frescura das gotas de orvalho que durante a noite por ali se acomodaram e por ali ficam a maior parte do dia. Mas falta-lhes a cor e o sabor que só o Sol lhes pode oferecer.
— É triste ficarmos aqui escondidos. Ninguém reparará em nós. Ninguém nos colherá...
— Mas duraremos mais tempo. Ficaremos para alimentar os pássaros e os insectos e isso é melhor do que ser empacotados e alinhados em caixotes nas frutarias e nos supermercados — diziam outros menos descontentes com a sua sorte.
— E os comentários que teremos de suportar dos outros frutos e dos homens? Que somos enfezados, que não prestamos para nada, que era melhor não termos nascido — acrescentou uma pêra, briosa, mas corcovada e dura como uma pedra.
— Não me importa o que dizem. Nascemos duma flor, como os mais anafados, e o resto é conversa. Deixem-nos ir para as mesas das pessoas importantes..., ter de suportar jantares que nunca mais acabam e ouvir conversas que não interessam ao menino Jesus. Eu, por mim, prefiro ficar com os pássaros e os insectos — dizia do meio da folhagem uma maçãzita bichenta, cheia de manchas e com a pele áspera como a casca de um pinheiro bravo.
Todos os dias a conversa era a mesma. E o Sol que, quando nasce, afinal, não é para todos, ficava triste por não poder oferecer o seu calor a todos os frutos do mesmo modo.
Mas nada podia fazer porque ele próprio obedecia a uma lei que lhe impunha limites e o impedia de penetrar nos lugares mais escondidos.
— Chamam-me rei, mas tenho tantas incapacidades... — lamentava-se a cada passo.
E lá continuava como um atleta incansável a percorrer o céu de horizonte a horizonte. Às vezes apetecia-lhe parar um pouco a descansar, a conversar com as nuvens, a olhar preguiçosamente o País dos Frutos. Mas não podia. Se o fizesse causaria graves problemas ao funcionamento do Universo. Um dia, porém, no seu caminhar lento e airoso, teve uma ideia luminosa. Aliás, o Sol só tem ideias luminosas:
— Há tantos frutos que se queixam por viverem nos lugares sombrios da copa... Vou reuni-los e escolher um rei dos frutos para resolver os conflitos, estabelecer a justiça e assegurar a igualdade entre todos. Um rei?... Talvez não. Uma rainha!
O Sol lá tinha as suas razões para preferir uma rainha.
II. A RAINHA DE TODOS OS FRUTOS
No dia marcado pelo Sol, todos os frutos se reuniram para entre eles escolher um que assegurasse a justiça e resolvesse os conflitos.
Falou em primeiro lugar a Pêra-Joaquina:
— Tomo a palavra, meu soberano sem igual, para dizer que sou o fruto indicado para chefiar todos os frutos da horta e do pomar. Sou pequena e discreta, é certo, mas tenho a força do carácter e a dureza para impor a lei.
— Eu moro nos lugares baixos da horta — começou por dizer o Melão-casca-de-carvalho — mas a vantagem física do meu porte levará a uma natural obediência.
— A autoridade não é uma questão de físico — interrompeu o Figo-pingo-de-mel. — Eu sou de frágil constituição, mas tenho doçura e essa é uma forma de autoridade que todos aceitarão livremente.
— Concordo com o Figo-pingo-de-mel, mas deve haver uma inclinação natural para a autoridade. A minha linhagem nobre e antiga — disse a Ameixa-rainha-Cláudia — faz circular na minha seiva a necessidade de dirigir e defender os outros. A autoridade está em mim com a mesma naturalidade com que as raízes da ameixoeira estão na terra.
— Não me parece que seja assim. Há raízes que secam... — disse a Maçã-pata-de-boi. — Nos tempos que correm, a autoridade deve ter estatura e, por isso, a minha fortaleza discreta e altiva é um argumento que o Pai-de-todas-as-luzes não pode desprezar.
— Se me permite a palavra — disse o Pêssego-careca — gostava de falar sobre a importância da experiência e da sabedoria no exercício da autoridade. A minha calvície é com certeza sinal de ponderação, fundamental para ultrapassar conflitos e discussões.
— Autoridade rima com virilidade — sentenciou a Uva-coisa-de-galo. — Não é com falinhas mansas que se exerce a autoridade. É necessário ter argumentos..., compreende o meu rei, Luzeiro-de-todos-os-luzeiros? E esses argumentos, eu tenho-os: o meu exército de bagos estará sempre pronto a intervir para que a lei seja cumprida duma forma exemplar.
Ainda outros frutos falaram, mas o Grande Rei Sol não ficou convencido com as razões expostas. Pareceu-lhe que estavam demasiado interessados em mandar e poucos invocaram a preocupação da paz, da justiça e da igualdade entre a família dos frutos.
— Ouvi as vossas palavras e, a seu tempo, tomarei uma decisão.
Despediu-os e retirou-se para pensar mais maduramente.
Logo nessa noite, ninguém dormiu. Todos discutiram com todos. Cada um deles esperava vir a ser o escolhido.
Passaram-se noites e dias, dias e noites e, ao alvorecer, pensavam sempre que seria aquele o dia em que o Sol iria anunciar a sua escolha. As discussões eram cada vez mais acesas e a impaciência começava a retirar lucidez à maior parte.
Todos se vigiavam a todos. Em cada palavra dita havia um ouvido rente às folhas a escutar. O mais pequeno deslize, um erro, qualquer defeito, eram anotados e guardados para, na altura certa, serem jogados em desfavor do rival. Como às vezes acontece no país dos homens, ninguém estava resguardado.
Todos estavam expostos diante de todos. Havia naquele pomar uma palavra que pairava, luminosa, sobre a copa de cada uma das árvores: vencer. Vencer eliminando os outros.
A Maçã-pata-de-boi,o Melão-casca-de-carvalho e a Uva-coisa-de-galo tinham mesmo já feito uma aliança para tomar o mando pela força.
— Eu dominarei nas alturas e esmagarei a meus pés qualquer fruto que não aceite as leis eficazes que iremos impor — dissera a Maçã-pata-de-boi.
— Eu dominarei ao nível do chão e rebolarei sobre os desobedientes até os esmagar — dissera o Melão-casca-de-carvalho.
— Os espaços intermédios ficam por minha conta. O meu exército de bagos estará vigilante: ninguém falará mais do que aquilo que pode falar, ninguém ousará pensar mais do que aquilo que deve pensar — dissera a Uva-coisa-de-galo.
Foi através da Lua que o Sol soube das conspirações tramadas durante a noite.
— É grande a confusão que reina entre os frutos — disse a Lua. — Todos querem ser rei, mas a nenhum preocupa a igualdade e a protecção dos que habitam o interior pobre da copa.
— Conheço a situação, irmã Lua, e agradeço as tuas palavras. Vai lá, vai! Está na hora de trocarmos de posto. Eu vou abrir o dia no País dos Frutos e convocá-los para anunciar a minha escolha.
E assim aconteceu. Os primeiros raios de sol convocaram os frutos para escutarem a decisão do Grande Rei Sol.
— Ouvi as vossas palavras, guardei-as e, depois de reflexão e conselho, elas parecem--me cheias de vontade de domínio e vazias da intenção de servir. Soube ainda da maquinação de alguns de vós, decididos a tomar pela força o mando sobre todos os frutos da horta e do pomar.
— Aposto que foi a Lua que nos denunciou! Queixinhas... — murmurou entre dentes o Melão-casca-de-carvalho, muito inchado entre as folhas amarelecidas.
O Sol não ouviu o comentário. Apenas a Maçã-pata-de-boi e a Uva-coisa-de-galo trocaram um sorriso amarelo de conivência. E o Sol continuou:
— Por isso, a minha escolha para chefiar o País do Frutos não recai em nenhum dos que manifestaram opinião.
Houve grande agitação e muitos protestos. Alguns figos atiraram-se abaixo, descontentes, e esborracharam-se no chão. Um deles desfez-se sobre o Melão-casca-de-carvalho que logo vociferou:
— Ei, cuidado aí em cima!... Se a Maçã-pata-de-boi se lembra de fazer o mesmo ainda fico com um galo.
— Essa é comigo, ó Melão grandalhão? — disse, mal disposta, a Uva-coisa-de-galo.
Foi tal a agitação e tantas as ameaças que o Sol teve de intervir energicamente. Quando o burburinho acalmou, disse:
— A partir deste dia, declaro a Romã rainha do País dos Frutos.
Houve um silêncio que incomodava e ninguém teve reacção para dizer o que quer que fosse. A Romã nem sabia se havia de dizer alguma coisa ou ficar mergulhada naquele incómodo silêncio que tinha tomado toda a horta. É certo que tinha uma boa aparência e uma coroa real, mas achava-se inábil para o mando. Cheia de rubor no rosto, lá balbuciou algumas palavras:
— Rei Sol, agradeço a confiança e a distinção, mas não me acho capaz de recuperar a paz e a boa convivência entre os frutos. A minha coroa está voltada para baixo e essa não é, entendo eu, uma posição que inspire respeito e imponha autoridade.
— Mas é essa a razão porque decidi escolher-te. A tua coroa indica um caminho de convivência que despreza o orgulho e aponta a direcção da terra humilde e generosa. E essa é a solução para os conflitos surgidos no País dos Frutos. Além disso, tens o dom de retardar o fim do Verão e de guardá-lo dentro de ti para o oferecer às estações futuras.
— Seja como dizes, Altíssimo rei Sol. Rejeitarei a glória de mandar e a direcção da minha coroa apontará o lugar escondido da paz.
III. A ROMÃ BOCA ABERTA
O Sol retirou-se e durante muito tempo não apareceu. Os frutos entenderam que isso era um castigo e decidiram aceitar a Romã como rainha do País dos Frutos. No entanto, mesmo depois de o Sol voltar, estudaram uma artimanha para minar a autoridade da Romã e assim destroná-la: começaram a instigar os grãozinhos que há dentro da romã para se revoltarem. E o certo é que, passado algum tempo, começaram as intrigas entre eles: porque os de cima apanhavam mais sol do que os de baixo, porque os de baixo estavam mais protegidos do sol do que os de cima e coisas deste género. Decidiram organizar-se em grupos, erguer muralhas a separar uns dos outros, procurando cada um desses grupos situar-se dentro da casca da maneira mais favorável.
E se a Romã-rainha-de-todos-os-frutos ficou descontentíssima com esta atitude, muito mais descontente ficou o Sol. Como sinal de desagrado enviou um raio fortíssimo que fendeu a casca e abriu ao meio a romã onde tudo começou. Os seus interiores ficaram à mostra e expostos à irrisão dos restantes frutos, que andavam mortinhos por uma oportunidade como esta para ridicularizar a Romã-rainha:
— Olha a boca aberta... — dizia o Figo-pingo-de-mel que devia era estar calado, pois, não raras vezes, padecia do mesmo mal.
— Pintaste os lábios, romã comilã?... — gracejava a Maçã-pata-de-boi.
— Que mau hálito... Podia fechar essa boca imunda... — mangava a Pêra Joaquina.
— Foi um raio que te partiu?... — disse a Uva-coisa-de-galo de cima do seu cacho já muito rosado. E a filharada deu uma risada em cascata que ecoou por toda a horta.
Até o Melão-casca-de-carvalho, gordo como um pipo, levantou os olhos com grande custo para fazer o seu comentário:
— Com que então a menina dos olhos do Sol está de castigo. É da maneira que talvez deixe cair uns grãos dessa frescura vermelha aqui para o vizinho do rés-do-chão.
A Romã-rainha adoeceu de desgosto e todas as outras romãs se sentiam envergonhadas e culpadas por terem cedido à provocação dos outros frutos. Mas nada podiam dizer ou fazer, tão fechadas e repuxadas estavam na sua casca.
Veio, enfim, o tempo da colheita. Um a um todos os frutos foram colhidos. Só ficaram os mais enfezados. Esses e a Romã-boca-aberta. Ao chegar junto dela, disse o dono da horta:
— Vou deixá-la para os pássaros.
E ali ficou esquecida, desolada e exposta às bicadas da passarada. Mas, eis que um dia, já quase não sentia qualquer emoção, passou por perto um velho homem. Era um homem triste, de longos cabelos e barba descuidada, que andava pelos caminhos, falava sozinho, dizia versos que ninguém escutava e se alimentava, tal como os pássaros, dos frutos rejeitados ou que ficavam esquecidos nas árvores.
— Que bela romã! O seu sumo aclara o sangue e espalha pela alma a saudade das manhãs frescas e luminosas do Verão...
Colheu-a e sorveu com prazer e lentidão a doçura de todos aqueles grãos.
E enquanto era degustada, a Romã-boca-aberta ainda conseguiu escutar as palavras do velho homem:
— Ó Grande Rei Sol, como és sábio, justo e generoso!... És sábio porque ensinaste aos frutos da horta o significado da coroa da romã que aponta o chão. És justo porque castigaste a sua ganância. És generoso porque, procedendo desse modo, proveste ao deleite deste teu servo que assim pode saborear-te sorvendo estes grãos tardios e doces.
Nuno Higino
A rainha do País dos Frutos
Marco de Canavezes, Cenateca, 2000
O Clube de Contadores de Histórias
Biblioteca da Escola Secundária Daniel Faria – Baltar

Charles Robert Darwin (1809-1882) - 200º aniversário do seu nascimento



Charles Robert Darwin
(Shrewsbury, 12 de Fevereiro de 1809 — Downe, Kent, 19 de Abril de 1882)
Foi um naturalista britânico. O seu pai, Dr. Robert Darwin, foi um físico proeminente da época. A sua mãe, Susannah, morreu quando Charles Darwin tinha oito anos e, por uma razão ou por outra, ele nunca teve dela recordações muito vivas. De facto, ao longo de toda a sua vida, Darwin nunca foi um bom observador de pessoas, tenho sido, no entanto, um excelente observador de objectos e animais.

.
Darwin não foi um aluno brilhante, pois não se interessava pelas matérias que lhe ensinavam na escola. Estava destinado a viver da fortuna da família, mas o seu pai convenceu-o a optar por uma profissão.

.
Em 1825, Charles Darwin foi estudar medicina, tendo desistido dois anos mais tarde, para ingressar no curso de direito na Universidade de Cambridge. Aí, um dos seus professores, Prof. Henslow, convenceu-o a levar mais a sério o seu interesse pelas Ciências. Em Janeiro de 1831, Darwin formou-se. O Prof. Henslow falou-lhe então de um navio, o H.M.S. Beagle, que iria partir para uma viagem à volta do mundo numa missão de investigação e, assim, em 27 de Dezembro de 1831, Darwin partiu numa expedição que iria durar cinco anos e que se iria tornar um marco da história da Ciência.

.
Darwin experimentou e aprendeu vários aspectos da biologia e da vida durante a sua permanência no navio, mas só quando chegou ao Arquipélago dos Galapagos, é que realmente se lhe "fez luz". Aí, descobriu que existiam inúmeras diferenças e semelhanças entre os animais das diversas ilhas e do continente. Recolheu exemplares e conduziu diversas experiências para análise e estudos futuros.

.
Em 1836, Darwin regressou a Inglaterra, tendo casado com Emma Wedgwood em 1837. O casal instalou-se então na cidade de Downe. Aí, passou o resto da sua vida a escrever livros, a estudar, a conduzir experiências e a corresponder-se com outros cientistas. Morreu em 19 de Abril de 1882.

.
Alcançou fama ao convencer a comunidade científica da ocorrência da evolução e propor uma teoria para explicar como ela se dá por meio da selecção natural e sexual. Esta teoria se desenvolveu no que é agora considerado o paradigma central para explicação de diversos fenómenos na
Biologia. Foi laureado com a medalha Wollaston concedida pela Sociedade Geológica de Londres, em 1859.

.
Darwin começou a se interessar por história natural na universidade enquanto era estudante de Medicina e, depois,
Teologia. A sua viagem de cinco anos a bordo do Beagle e escritos posteriores trouxeram-lhe reconhecimento como geólogo e fama como escritor. Suas observações da natureza levaram-no ao estudo da diversificação das espécies e, em 1838, ao desenvolvimento da teoria da Selecção Natural. Consciente de que outros antes dele tinham sido severamente punidos por sugerir ideias como aquela, ele as confiou apenas a amigos próximos e continuou a sua pesquisa tentando antecipar possíveis objecções. Contudo, a informação de que Alfred Russel Wallace tinha desenvolvido uma ideia similar forçou a publicação conjunta das suas teorias em 1858.

.
No decurso do seu trabalho, Charles Darwin, desenvolveu diversas teorias e ideias controversas. É dele a frase "Na maior parte dos casos, não há dois organismos da mesma espécie que sejam semelhantes". É ele também o autor das ideias da selecção natural e da sobrevivência do mais apto. Isto significa, para Darwin, que a Terra não sustenta todo e qualquer indivíduo, mas que apenas aqueles que se adaptam e vencem a competição por comida e abrigo, estão aptos para sobreviver. Darwin expressou esta e outras descobertas da sua viagem no seu livro "On the Origins of Species by Means of Natural Selection", em 1859.
Em seu livro de 1859, "
A Origem das Espécies" (do original, em inglês, On the Origin of Species by Means of Natural Selection, or The Preservation of Favoured Races in the Struggle for Life), ele introduziu a ideia de evolução a partir de um ancestral comum, por meio de selecção natural. Esta se tornou a explicação científica dominante para a diversidade de espécies na natureza. Ele ingressou na Royal Society e continuou a sua pesquisa, escrevendo uma série de livros sobre plantas e animais, incluindo a espécie humana, notavelmente "A descendência do Homem e Selecção em relação ao Sexo" (The Descent of Man, and Selection in Relation to Sex, 1871) e "A Expressão da Emoção em Homens e Animais" (The Expression of the Emotions in Man and Animals, 1872).

.
Darwin publicou muitas outras obras expondo as suas teorias e a sua biografia. Foi igualmente pioneiro em muitos temas controversos no campo das ciências. As suas ideias foram realmente revolucionárias, tendo iniciado uma linha de pensamento totalmente original.
Em reconhecimento à importância do seu trabalho, Darwin foi enterrado na
Abadia de Westminster, próximo a Charles Lyell, William Herschel e Isaac Newton. Foi uma das cinco pessoas não ligadas à família real inglesa a ter um funeral de Estado no século XIX.

.
FRASES CÉLEBRES DE CHARLES DARWIN:
"A man´s friendships are one of the best measures of his worth" (as amizades de um homem são uma das melhores medidas de quanto vale)
"An American Monkey after getting drunk on Brandy would never touch it again, and thus is much wiser than most man" (um macaco americano depois de se embebedar com brandy nunca mais volta a bebê-lo, neste sentido é muito mais sensato do que a maioria dos homens)
.
Fonte

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Novos prazos para votação na categoria de Melhor Blogue de Biblioteca Escolar

Foi alargado o prazo para as nomeações e votação para as várias categorias dos prémios Biblie. O blogue da nossa BECRE foi nomeado para a categoria de Melhor Blogue de Biblioteca Escolar.


Podes fazer a tua nomeação e/ou votação para a caixa de e-mail bibliofilmes@xariti.com ou deixar um comentário nos Prémios Biblie.
.
Todos os comentários, visitas e ligações ao blogue da BECRE serão contabilizados para a votação final, por isso, não deixes de nos visitar, comentar os artigos da tua preferência e fazer a sua divulgação.

Os Invasores (Segurança na Internet)

Cartilha: O Uso Responsável da Internet

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Dia Europeu Da Segurança na Internet - 10 de Fevereiro


Aqui, entre nós, o Ministério da Educação, por via da Direcção Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular (DGIDC), levará a efeito duas emissões via Internet sobre a temática e dirigidas a todas as escolas.

As emissões terão lugar, uma de manhã, às 10h, e outra às 15h da tarde. Cada sessão terá a duração de cerca de 30 minutos (mais ou menos).
Pretende-se que esta acção tenha consequências. Idealmente que esta reflexão sobre a Segurança na Internet se alargue à família e seja transversal na escola, nomeadamente e sempre que a propósito, na sala de aula. Esta acção pode e deve ser ser o pretexto.
Este é o link (
http://videodifusao.crie.min-edu.pt/) para onde devem direccionar o navegador (browser).

Poderão saber mais sobre esta e outras acções SeguraNet no blog do projecto.

Na nossa BECRE levaremos a cabo uma projecção de pequenos filmes elucidativos dos perigos que nos podem ameaçar na internet, como evitá-los e, no caso de sermos "apanhados", como nos defendermos.

Não deixes de participar.

Trailer do livro "Teaser" de Jan Brogan




Trailer para um livro que aborda o assunto da segurança na internet: o livro chama-se "Teaser" e é escrito por Jan Brogan.

Trata-se de um thriller sobre quando os jovens participam em redes sociais e tudo corre terrivelmente mal.

Mais em Bibliofilmes

Dia Europeu da Internet Segura - 10 de Fevereiro

Dia 10 de Fevereiro celebra-se o Dia Europeu da Internet Segura.
Tal como tem acontecido nos últimos anos, neste dia os países da União Europeia irão dedicar grande atenção à temática da navegação segura da Internet.
Aqui fica o contributo da BECRE para uma navegação mais segura, com ligações para sítios sobre Segurança na Internet, principalmente para as crianças, jovens, pais e professores:
.
Cartilha de Segurança para Internet (contém recomendações e dicas sobre como podes aumentar a tua segurança enquanto navegas na Internet)
.
Site Junior, Rua - Sabias Que... (Segurança na internet. O que é a internet? Navegar com segurança · Enganos da internet · O spam · Vírus informáticos · Netetiqueta)
.
Senninha - Pilotando com Segurança na Internet (contém uma história em quadrinhos, animada e bem interessante para reflectires sobre os riscos na internet. Também um joguinho mostrando algumas dicas)
.
Web Vídeo AcessaSP Navegação Segura (vídeo produzido pela equipa de conteúdo do AcessaSP, com orientações da consultora do programa Lilian Starobinas. Explica como podes navegar de forma segura na internet e lidar com suas senhas)
.
Cartilha Diálogo Virtual - Hackerteen (criação dos alunos do HackerTeen e da equipe da SaferNet Brasil, com o objectivo de orientar os jovens para o uso correcto e seguro da Internet. Em permanente actualização, e onde até podes colaborar)
.
Cartilha de Segurança na Internet - CGI (o Comité Gestor da Internet no Brasil disponibiliza uma cartilha sobre segurança na internet, envolvendo os seus conceitos, riscos, privacidade, fraudes, códigos maliciosos, entre outros)
.

domingo, 8 de fevereiro de 2009

A tua idade noutro planeta!

Podes saber a tua idade que terias se vivesses noutro planeta do nosso sistema solar. Basta clicares na imagem e preencheres os campos em branco.
Uma ideia muito engraçada do Projecto Minerva (Universidade de Évora).
Clica e diverte-te.

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Mascote Expo-Escola09



MASCOTE EXPO-ESCOLA 09

O resultado da votação para a escolha do nome da MASCOTE foi:

MUNDAMI (28 votos)
RODRIGO LOPES 7ºE

PARABÉNS!
A Comissão Organizadora

A história de Cristina

Cristina é uma menina insignificante e apagada. Faz lembrar margaridas na berma do caminho, calcadas por quem passa – diz-me a Sr.ª Anders, de quem ouvi esta história.
– A Cris já tem seis anos e tem de ir para a escola – diz a mãe.
Mas a delegada de saúde disse que a Cris ainda tinha de ficar mais um ano em casa, a brincar. Cris gatinha para debaixo da mesa, para junto de Nenna, a irmã de quatro anos, e aí brincam as duas. Cris é a Cris, e Nenna faz de mãe.
– Tens de ir para a escola! – diz a mãe. E só de pensar que Cris não pode ir para a escola, bebe imediatamente uns goles da garrafa.
Um ano passa depressa. Cris já tem sete anos.
– Agora somos obrigados a aceitá-la – diz-lhe a delegada de saúde.
Cris vai então para a classe do Sr. Pusback, que é muito engraçado e de quem as crianças gostam muito. Um ano depois, na ficha de avaliação vem registado que Cris fez um primeiro ano satisfatório e que, por isso, passa de ano. Vai agora para a segunda classe, e Nenna entra para a primeira. Passado meio ano, o professor informa o director que Cris não consegue ler.
Cris vai fazer nove anos. E quem tem nove anos e não sabe ler, tem de ir para uma escola de crianças com problemas de aprendizagem. Uma senhora que Cris não conhece vem à escola, fica sozinha com ela numa sala, faz-lhe muitas perguntas, manda Cris fazer diversas coisas, trabalhar com pequenas peças de madeira, observar imagens, desenhar linhas, pintar. Durante a manhã inteira, das oito às doze horas. A senhora faz um intervalo para fumar e Cris tem autorização para ir ao quarto de banho e comer o pão com manteiga, mas Cris não trouxe pão para comer.
Dias depois, chega uma carta com o carimbo do ministério.
– És tão palerma! – grita-lhe a mãe. Cris apanha um par de estalos que a atiram ao chão. Gatinha imediatamente com Nenna para debaixo da mesa. E brincam. Cris é Cris, e Nenna faz de senhora desconhecida que foi à escola e fuma.
Tempo depois, saem as avaliações. Nenna passa de ano, mas Cris não.
– Espera que já lhes digo! – exclamou a mãe. Cris não sabe por quem deve esperar. Pelo Sr. Pusbach, talvez? Para que ele lhe explique por que é que ela não conseguiu aprender a ler? Mas isso nem ele próprio sabe! Todas as outras crianças aprenderam a ler… Ou será que deve esperar pela senhora desconhecida? Para que lhe diga como conseguiu descobrir, das oito às doze horas, que Cris tinha pouca inteligência para frequentar uma escola normal. Calculou-lhe um QI de 54, o que está no limiar da imbecilidade.
Nenhum adulto consegue falar com alguém tão palerma, por isso Cris fica sem saber o que vinha na carta que o ministério enviou: que os pais demoraram demasiado tempo a enviar a autorização, que a escola do ensino especial já está cheia, e que por isso Cris tem de ir para uma escola para crianças com atrasos mentais.
No último dia de férias, chega, pela terceira vez, uma carta do ministério, onde é dito novamente que, uma vez que os pais demoraram a conceder a autorização, Cris já não pode ir à escola durante o próximo ano (suspensão da obrigatoriedade escolar, de acordo com o artigo 14 do regulamento escolar).
– Estão malucos! – grita a mãe, e o pai bebe logo de enfiada três copos de aguardente. Depois atira o copo contra a parede, e Cris tem de varrer os vidros.
– A partir de hoje vão as duas para a segunda classe, para a Sr.ª Anders, e sentam-se uma ao lado da outra, percebido? – disse a mãe na manhã seguinte.
Cris e Nenna vão para o autocarro escolar enquanto a mãe se lança para a bicicleta e voa para a escola. Quer dizer das boas ao director.
Mas o director está doente. A substituí-lo está a Sra. Anders, que até fica tonta com tantas leis e parágrafos. Diz também que a situação em que Cris se encontra foi provocada pela mãe. O que é que tem contra a escola de ensino especial da vila vizinha? Só se ouve falar bem daquela escola. Sim, sim, os edifícios são bonitos, diz a Sr. Blattsch, mãe de Cris… Já lá foi de bicicleta.
A campainha toca.
– Tenho de ir para as aulas – diz a Sr.ª Anders, que ainda acompanha a Sr.ª Blattsch pelo corredor e depois se dirige para a sala de aula. E o que vê? Cris e Nenna sentadas ao lado uma da outra, como se fossem uma só.
A Sr.ª Anders vai a correr ao recreio, mas já não vê a Sr.ª Blattsch, que saiu dali à velocidade do vento.
– Que descarada! – vocifera a Sr.ª Anders. – Deixar-me assim uma prenda destas, como se a minha turma não estivesse já suficientemente cheia. Não pense ela que a vou deixar fazer o que quer! A Cris que pegue na sacola e que vá para casa. Se o autocarro já tiver partido, que vá a pé.
A Sr.ª Anders volta a correr para a sala mas vê os olhos claros de Cris e o medo bem no fundo deles, e resolve não dizer nada. Pelo meio-dia, dez minutos antes de tocar, senta-se à secretária e escreve:
Cara Sr.ª Blattsch
Daqui em diante, deixe ficar a Cris em casa, tal como determinado pelo ministério.
O que é que a Cris vai fazer, se tiver de ficar em casa?pergunta uma voz. Uma voz tímida e baixa. A Sr.ª Anders parece conhecê-la, já a ouviu mais vezes… – Vai brincar com garrafas vazias de aguardente? E as pessoas da aldeia, o que dirão? "Uma palerma. É tão burra, que nem a querem na escola!" Mas porque é que estás a escrever? Não lhe basta já a carta do Ministério? Ainda tens tu de te fazer importante?
Nunca na vida! Quem é que pensa numa coisa dessas?
Eu!
Eu? Quem és tu?
Prefiro antes dizer-te quem não sou. Bem, não sou essa pessoa que aceita todas as ordens do ministério. Há muito, muito tempo, antes de te tornares uma funcionária do estado, também foste uma menina indefesa e insignificante como a Cris…
Eu fui como a Cris? Nunca, podes ter a certeza. Nunca!
Não precisas de ter medo que as crianças ouçam o que te digo. Para elas sou completamente invisível e inaudível. Claro que eras uma criança esperta, se não, não tinhas chegado a professora. Mas talvez te lembres ainda daquela pequena, a segunda a contar do fim, quando se tinham de colocar por ordem de tamanho. E nas aulas de ginástica tinham de se pôr por ordem…
…lembro-me, de facto…
E quem era aquela menina esquisita e fraquinha, que na escola não se atrevia a chegar junto do professor com o lápis da lousa partido…?
…também me lembro disso…
E quem é que era tão imbecil, desculpa a palavra, que não conseguia perceber que três mais três e quatro mais cinco pedem números determinados, e não uns algarismos quaisquer à escolha?...
Deixa-me rir! Era eu!
Era eu! Era eu! Era eu! Há tanto tempo que desejo que te lembres de mim e me chames pelo nome.
Oh, já está a tocar! Não posso dar à Cris a carta para entregar à mãe. Ainda não a acabei…
Rasga-a, por favor! Não é bom escrever cartas que não sirvam para o bem das crianças. Gostarias de ter levado uma carta dessas à tua mãe? Um professor não tem de ser só inteligente, garanto-te. A inteligência não chega. Também precisa de saber sentir o que sentia quando era criança…
* *
Olá! Hoje já é o quinto dia de aulas depois das férias, se não estou em erro.
Sabes o que é a imbecilidade? Fazes ideia do que é…
E tu, fazes?
Vou mostrar-te, presta atenção!
– Cris, ora lê o que está escrito no quadro.
– Vou ler-te em voz alta: mamã. Mmmmmaaaammmmãããã. Que sons é que ouves?
Pobre idiota! Tem a idiotice estampada na cara.
Ela pensa que vai apanhar já um estalo da mamã. Apaga a palavra mamã, Maria! Usa uma palavra de que todas as crianças gostam.
Sabes alguma?
Rir.
– Cris, olha. Vou apagar mamã e vou escrever uma palavra nova: rir. Tu gostas de rir, não gostas? Rrrrir. Que sons é que ouves?
– Vou escrever outra palavra: fazer. Fazer rir. Soa bem, não soa? Ora diz lá tu.
– Vou escrever outra palavra: desenhar. Também gostas de ddeeseenhnhaarrr! Ouves os sons?
Ergueu os cantos da boca dois milímetros. Isto não é um sucesso? Deixa-a desenhar.
– Agora podes fazer um desenho bonito, Cris.
Ainda me lembro de quando aprendi a ler. Quando pela primeira vez dei conta de que não só ouvia mas também via as letras das palavras. Fiquei tão feliz! Profundamente admirada com essa descoberta! Tive o sonho mais bonito de todos os meus muitos sonhos. O meu amigo Itze e eu navegávamos pelo céu num navio de nuvens e ouvíamo-las todas cantar… O que é que a Cris está a pintar? … Uma mesa, dois bancos por baixo, o risco da boca é redondo nas duas crianças; quer dizer que estão a rir. E também copiou uma palavra do quadro: rir. Como é que a Nenna aprendeu a ler?
Por acaso foi normalmente. Só que tomei mais cuidado no início, porque já sabia o que se passava em casa.
Tomar cuidado? Será que aprender a ler pode ser perigoso?
Se se perde a ligação, sim.
Se calhar a Cris também perdeu a ligação.
Com a Cris é mesmo falta de esperteza, acabaste agora de ver com os teus próprios olhos.
Talvez seja "ligação" e burrice. Quem está sempre a apanhar estalos facilmente apanha uma má ligação, mas será que também tem de apanhar a burrice da leitura? Deixa-a brincar debaixo da mesa com a Nenna ao jogo do "Vamos ouvir as letras". Nenna gosta da Cris e a Cris da Nenna. Aprende-se bem com alguém de quem se gosta. Deixa-me falar com a Nenna.
* *
"A mãe diz-me que não devo gastar tanto papel, porque o papel custa dinheiro. A Nenna tirou um bloco do balcão da loja para mim. É publicidade, e nisso podemos pegar, diz a Nenna. Faço desenhos pequeninos. Hoje vamos brincar a uma coisa nova, disse a Nenna. Hoje sou o bichinho do ouvido. Quando esse bichinho limpa as orelhas a alguém, essa pessoa consegue ouvir as letras das palavras."
– Limpopo, limpopo, limpopo-te as orelhas. Ouves o p em limppo?
– Sim, ouço o p em limppo.
– E a Sr.ª Anders é boa. Não precisas de ter medo dela. Ouves o m em mmedo?
– Sim, ouço o m em mmedo.
– Portanto, não precisas de ter medo nenhum da Sr.ª Anders. Se errares, ela não se vai rir de ti. E os outros meninos também não se riem de ti, porque isso não é justo. Só o Ergon é que às vezes se ri, porque ouve mal. Mas depois também ouve da Sr.ª Anders.
– Com o Pusback riam-se sempre muito.
– Mas isso já passou – diz Nenna. – E como tu fazes uns desenhos tão bonitos, agora vou desenhar-te como se faz um p. Agora já consegues as duas coisas: ouvir e desenhar o p. Vamos brincar a sério às escolinhas. Se ouvires o que eu ouço em ppino, se ouvires sem ajuda, então és uma menina esperta.
– Pino, pino, P! P! Eu sou esperta!
* *
Quando foi a última vez que te ocupaste dela? Há quatro ou há cinco dias?
Tenho trinta e duas crianças na turma sem contar com a Cris. – disse Maria Anders. – São trinta e duas crianças com as quais tenho de me ocupar, o que, por si só, já é muito trabalho e às vezes bem difícil de levar a cabo, acredita. Não me sinto responsável pela Cris. Não estudei idiotice.
Foi por isso que pedimos ajuda à Nenna.
Pedir ajuda? Mas que palavra tão forte para este caso. Permitimos que Cris viesse para a escola. Ela porta-se bem, não perturba as aulas. Faz sarrabiscos e desenha. Sempre está melhor aqui do que se estivesse sentada em casa. Faço mais do que o que me é autorizado pelo ministério.
Não poderias ocupar-te dela só mais um pouco?
Mas como? Eu faço perguntas, ela não responde. Torno a perguntar, ponho-lhe a resposta na boca, por assim dizer. Ela continua sem responder. Quantas vezes tenho de repetir isto? Eu tenho de ver resultados, se não, um professor também não se sente motivado. E também não quero perder o meu tempo.
Será que cada funcionário público tem de se esquecer do que sentiu em criança?
Andas constantemente a lembrar-mo.
A Cris já cá está há dez dias. Em dez dias ainda não te disse uma palavra, mas o lápis dela fala com o papel. Vai até lá e dá uma olhadela.
Não vejo nada de interesse nos gatafunhos dela.
A última vez que olhaste para eles foi há cinco dias. Por favor, vai até lá outra vez…
PINO PATO
Os cantos da boca de Cris estão virados para cima. Quase sorri. Aponta com o lápis primeiro para uma palavra, depois para a outra. Os lábios abrem uma fresta.
Quer dizer-te alguma coisa, Maria. Depressa, baixa-te para perceberes…
Cris fala tão baixinho que nem na mesa do lado a ouvem.
– Se trocar este por este – diz ela batendo primeiro no A, depois no I – fica pano.
Mas isso é óptimo! É mesmo bom! Ela percebeu como funciona…
Se eu não tivesse vivido isto, disse mais tarde Maria Anders, acharia a história impossível. Uma coisa impossível como esta é o melhor que pode acontecer a um professor. Não se consegue esquecer, pensa-se e volta-se a pensar. Uma pessoa nunca se cansa de reflectir nesta história, acho eu. Na altura, falei abertamente com a Cris e com a Nenna. Expliquei-lhes qual era o problema dela, mas que ia conseguir aprender. Todas as manhãs, eu estudava uns minutos com ela, e Nenna fazia o mesmo à tarde. Foi simplesmente espantoso como Cris conseguiu aprender. Passados poucos meses já conseguia ler sozinha textos desconhecidos. Então, peguei no telefone, contactei o ministério e informei que tinha agido contra as ordens, e expliquei porquê. Disse ainda que a Cris agora já sabia ler, que aprendera com a ajuda da irmã. Meio ano mais tarde, a colega voltou a vir fazer um teste de inteligência e redigiu uma carta onde escreveu: "Cris desenvolveu uma boa técnica de leitura mas não entende nada do que lê." Bem, este é o problema da ligação. Quando Cris sente que está a ser controlada, não abre a boca. Nem mesmo hoje. E já está com Nenna no quinto ano.
Irmela Wendt
Jutta Modler (org.)
Brücken Bauen
Wien, Herder, 1987
O Clube de Contadores de Histórias
Biblioteca da Escola Secundária Daniel Faria – Baltar
Loading...