domingo, 28 de outubro de 2007

Poesia - Miguel Torga

A largada

Foram então as ânsias e os pinhais
Transformados em frágeis caravelas
Que partiam guiadas por sinais
Duma agulha inquieta como elas...
Foram então abraços repetidos
À Pátria-Mãe-Viúva que ficava
Na areia fria aos gritos e aos gemidos
Pela morte dos filhos que beijava.
Foram então as velas enfunadas
Por um sopro viril de reacção
Às palavras cansadas
Que se ouviam no cais dessa ilusão
Foram então as horas no convés
Do grande sonho que mandava ser
Cada homem tão firme nos seus pés
Que a nau tremesse sem ninguém tremer



Súplica
Agora que o silêncio é um mar sem ondas,
E que nele posso navegar sem rumo,
Não respondas
Às urgentes perguntas
Que te fiz.
Deixa-me ser feliz
Assim,
Já tão longe de ti como de mim.

Perde-se a vida a desejá-la tanto.
Só soubemos sofrer, enquanto
O nosso amor
Durou.
Mas o tempo passou,
Há calmaria...
Não perturbes a paz que me foi dada.
Ouvir de novo a tua voz seria
Matar a sede com água salgada.

Transfiguração
Tens agora
outro rosto, outra beleza:
Um rosto que é preciso imaginar,
E uma beleza mais furtiva ainda...
Assim te modelaram caprichosas,
Mãos irreais que tornam irreal
O barro que nos foge da retina.
Barro que em ti passou de luz carnal
A bruma feminina...

Mas nesse novo encanto
Te conjuro
Que permaneças.
Distante e preservada na distância.
Olímpica recusa, disfarçada
De terrena promessa
Feita aos olhos tentados e descrentes.
Nenhum Mito regressa....
Todas as deusas são mulheres ausentes

Recolha realizada por:
João Palma, 9ºA, nº 15
Mauro Viegas, 9ºA, nº 22

Centenário do nascimento do poeta Miguel Torga (1907-1995)

Data de nascimento: 12 de Agosto de 1907.
Data de Óbito: 17 de Janeiro de 1995.
Nome original: Adolfo Correia Rocha.
Escritor português natural, de São Martinho de Anta, Vila Real.
Proveniente de uma família humilde, teve uma infância rural dura, que lhe deu a conhecer a realidade do campo, feita de árduo trabalho contínuo.
Após uma breve passagem pelo seminário de Lamego, emigrou com 13 anos para o Brasil, onde durante cinco anos, trabalhou na fazenda de um tio, em Minas Gerais, como apanhador de café, vaqueiro e caçador de cobras.
De regresso a Portugal, em 1925, concluiu o ensino liceal e frequentou em Coimbra o curso de Medicina, que terminou em 1933.
Exerceu a profissão de médico em São Martinho de Anta e em outras localidades do país, fixando-se definitivamente em Coimbra, como otorrinolaringologista, em 1941.
Ligado inicialmente ao grupo da revista Presença, que dele se desligou em 1930, fundando nesse mesmo ano, com Branquinho da Fonseca (outro dissidente), a Sinal, de que sairia apenas um número.
Em 1936, lançou outra revista, Manifesto, também de duração breve. Miguel Torga, tornou-se o poeta do mundo rural, das forças telúricas, ancestrais, que animam o instinto humano na sua luta dramática contra as leis que o aprisionam.
Nessa revolta consiste a missão do poeta, que se afirma tanto na violência com que acusa a tirania divina e terrestre, como na ternura franciscana que estende, de forma vibrante, a todas as criaturas no seu sofrimento.
A sua obra, recheada de simbologia bíblica, encontra-se, antes, imersa num sentido divino que transfigura a natureza e dignifica o homem no seu desafio ou no seu desprezo face ao divino. A ligação à terra, à região natal, a Portugal, à própria Península Ibérica e às suas gentes.
Ela justifica o profundo conhecimento que Torga procurou ter de Portugal e de Espanha, unidos no conceito de uma Ibéria comum, pela rudeza e pobreza dos seus meios naturais, pelo movimento de expansão e opressões da história, e por certas características humanas definidoras da sua personalidade.
A intervenção cívica de Miguel Torga, na oposição ao Estado Novo e na denúncia dos crimes da guerra civil espanhola e de Franco, valeu-lhe a apreensão de algumas das suas obras pela censura e, mesmo, a prisão pela polícia política portuguesa.
Contista exímio, romancista, ensaísta, dramaturgo, autor de mais de 50 obras publicadas desde os 21 anos, estreou-se em 1928 com o volume de poesia Ansiedade. Publicou O Sexto Dia da Criação do Mundo, 1981), Bichos (1940), Contos da Montanha (1941), O Senhor Ventura (1943, Romance), Novos Contos da Montanha (1944), Vindima (1945) e Fogo Preso (1976), entre outros.
Este autor ganhou, entre outros prémios, os seguintes:
Prémio Diário de Notícias (1969);
Prémio Internacional de Poesia (1977);
Prémio Montaigne (1981);
Prémio Camões (1989);
Prémio Vida Literária da Associação Portuguesa de Escritores (1992);
Prémio da Crítica, consagrando a sua obra (1993).
Em 2000, é publicado Poesia Completa.


Trabalho realizado por:
João Palma, 9ºA, nº 15
Mauro Viegas, 9ºA, nº 22

terça-feira, 16 de outubro de 2007

Prémio Nobel da Literatura 2007

Doris Lessing, nascida Doris May Tayler, (Kermanshah, 22 de outubro de 1919) é uma escritora britânica, galardoada com o Prémio Nobel de Literatura de 2007.
Nascida na Pérsia (hoje o Irão), mudou-se com a família para a Rodésia do Sul (hoje o Zimbábue) em 1925 e estabeleceu residência no Reino Unido apenas em 1949.
Os seus temas variaram extensamente, do exame das tensões inter-raciais, com a política racial, a violência contra as crianças, os movimentos feministas e à exploração do espaço exterior.
Na série "Canopus em Argos: Arquivos", Doris Lessing conduz o leitor ao mundo dos Impérios de Canopus e Sirius, num universo que aborda a colonização de planetas em esferas muito além do mundo físico das naves espaciais. Por isso mesmo a literatura de Doris Lessing tem sido denominada de ficção espacial.

quinta-feira, 4 de outubro de 2007

Livro do Mês - Outubro 2007


Boletim nº1 - Set/2007

Clube de Leitura

Projecto CLUBE DE LEITURA - Ano Lectivo 2007/2008

INTRODUÇÃO:
O projecto Clube de Leitura pretende desenvolver e dinamizar um conjunto de actividades que possam contribuir para um contacto mais estreito e afectivo dos alunos com os livros, desenvolvendo, assim, competências transversais e específicas no âmbito da literacia e da cultura, gerando desta forma um reforço das aprendizagens.

OBJECTIVOS:
1. Desenvolver a competência da leitura;
2. Aprofundar o gosto pela leitura e pelo conhecimento;
3. Contactar com textos de géneros e temas variados, da literatura nacional e universal;
4. Detectar relações de intertextualidade;
5. Exprimir reacções subjectivas de leitor;
6. Emitir juízos de valor sobre as obras lidas;
7. Melhorar a expressão oral e escrita;
8. Criar novos leitores;
9. Consolidar conhecimentos no âmbito das competências da Língua Portuguesa;

ACTIVIDADES:
1. Leitura recreativa de livros, jornais e/ou outros suportes de informação;
2. Sessões de leitura em voz alta, declamação de poesia e/ou dramatização de leituras;
3. Debates sobre leituras efectuadas;
4. Organização/realização de feiras do livro e outros eventos escolares;
5. Preenchimento de fichas de leitura, comentários, textos de opinião ou outros;
6. Divulgação de trabalhos dos alunos;
7. Encontro com escritores/poetas;
8. Concursos diversos;
9. Diário de leitura;
10. Visitas de estudo à Biblioteca Municipal;
11. Criação de um top de livros, reflectindo as preferências dos participantes;
12. Apresentação do Livro do Mês, em que uma obra é destacada e comentada;
13. Representação/Leitura de contos;
14. Dramatizações.

INTERVENIENTES:
- Alunos dos 2º e 3ºciclos

DINAMIZADORES:
Docentes:
Fátima Veríssimo
Odília Pereira
Natália Coelho

AVALIAÇÃO:
- A avaliação processar-se-á através da aplicação de questionários periódicos sobre hábitos e preferências de leitura, tratamento dos dados e produção de um relatório final.

CALENDARIZAÇÃO:
Ao longo do ano lectivo.

RECURSOS MATERIAIS
Livros dos alunos, dos docentes, da BE/CRE e outros suportes.

RECURSOS HUMANOS
Dois tempos semanais por docente

LOCAL DE FUNCIONAMENTO
Biblioteca Escolar/Centro de Recursos Educativos

FREQUÊNCIA
Através de Inscrição
Loading...