quinta-feira, 21 de abril de 2011

A rainha do país dos frutos


I. O PAÍS DOS FRUTOS

O País dos Frutos é um país alto, atravessado por rios imensos e límpidos de luz e pelos caminhos imprevisíveis dos pássaros. Nesse país, os frutos crescem na direcção do chão que é a direcção certa de crescer. No País dos Frutos há cor, sabor, frescura e o tilintar da música que há nas sílabas do nome de todos os frutos. Quando se diz o nome de um fruto é como se o vento fizesse baloiçar as sonoridades delicadas daqueles jogos de canas que se penduram nas árvores ou nas varandas das casas. Por isso se diz que neste país os frutos têm música dentro do nome e luz e cor. E o nome dos frutos escreve-se com as mesmas letras da alegria, da frescura e da liberdade.

O País dos Frutos é o país onde tudo começa numa flor, onde o silêncio cresce devagar até tomar a forma duma ameixa, duma maçã, dum dióspiro, duma romã; até tomar a cor do sol para, enfim, escorrer pelos lábios e neles derramar frescura e claridade. No País dos Frutos há milhares e milhares de bandeiras que nada significam: nem compromisso, nem fervor, nem fé. Estão lá porque nasceram lá. Nasceram dum impulso de vida e são agitadas, não pelo frenesim da voz, mas pela alma invisível dos ventos. O País dos Frutos é um país quente donde o Sol nunca gosta de afastar-se. Sente-se bem naquele país e, desde que se levanta até que se põe, percorre cada coisa com muita lentidão. Nunca tem pressa e por isso passa o tempo a amadurecer os frutos com uma enorme paciência. Todos os dias ao alvorecer, nas hortas e nos pomares, mal pressentem o seu aparecimento, os frutos ficam em alvoroço e começam a dizer uns para os outros:

— Aí vem o nosso amigo! Aí vem o nosso grande amigo Sol!

Aqueles menos bem situados, mais escondidos pelas folhas ou pela sombra de outras árvores vizinhas, tentam apanhar os seus primeiros raios e pedem aos que moram no lado exterior da copa:


— Deixem-nos ir para a vossa janela, deixem-nos ver como caminha lá de longe o Grande Sol para vir ao nosso encontro.


Mas, como se sabe, não é fácil os frutos moverem-se. Não têm pernas e só têm um braço que os prende à árvore. E se há alguns que conseguem, apesar disso, esticar-se, esticar-se até mais acima, há outros que não têm força nem espaço e ficam abafados pelas folhas e pelos outros frutos. É certo que têm a companhia e a frescura das gotas de orvalho que durante a noite por ali se acomodaram e por ali ficam a maior parte do dia. Mas falta-lhes a cor e o sabor que só o Sol lhes pode oferecer.


— É triste ficarmos aqui escondidos. Ninguém reparará em nós. Ninguém nos colherá...


— Mas duraremos mais tempo. Ficaremos para alimentar os pássaros e os insectos e isso é melhor do que ser empacotados e alinhados em caixotes nas frutarias e nos supermercados — diziam outros menos descontentes com a sua sorte.


— E os comentários que teremos de suportar dos outros frutos e dos homens? Que somos enfezados, que não prestamos para nada, que era melhor não termos nascido — acrescentou uma pêra, briosa, mas corcovada e dura como uma pedra.


— Não me importa o que dizem. Nascemos duma flor, como os mais anafados, e o resto é conversa. Deixem-nos ir para as mesas das pessoas importantes..., ter de suportar jantares que nunca mais acabam e ouvir conversas que não interessam ao menino Jesus. Eu, por mim, prefiro ficar com os pássaros e os insectos — dizia do meio da folhagem uma maçãzita bichenta, cheia de manchas e com a pele áspera como a casca de um pinheiro bravo.


Todos os dias a conversa era a mesma. E o Sol que, quando nasce, afinal, não é para todos, ficava triste por não poder oferecer o seu calor a todos os frutos do mesmo modo. Mas nada podia fazer porque ele próprio obedecia a uma lei que lhe impunha limites e o impedia de penetrar nos lugares mais escondidos.


— Chamam-me rei, mas tenho tantas incapacidades... — lamentava-se a cada passo.


E lá continuava como um atleta incansável a percorrer o céu de horizonte a horizonte. Às vezes apetecia-lhe parar um pouco a descansar, a conversar com as nuvens, a olhar preguiçosamente o País dos Frutos. Mas não podia. Se o fizesse causaria graves problemas ao funcionamento do Universo. Um dia, porém, no seu caminhar lento e airoso, teve uma ideia luminosa. Aliás, o Sol só tem ideias luminosas:


— Há tantos frutos que se queixam por viverem nos lugares sombrios da copa... Vou reuni-los e escolher um rei dos frutos para resolver os conflitos, estabelecer a justiça e assegurar a igualdade entre todos. Um rei?... Talvez não. Uma rainha!


O Sol lá tinha as suas razões para preferir uma rainha.



II. A RAINHA DE TODOS OS FRUTOS


No dia marcado pelo Sol, todos os frutos se reuniram para entre eles escolher um que assegurasse a justiça e resolvesse os conflitos. Falou em primeiro lugar a Pêra-Joaquina:


— Tomo a palavra, meu soberano sem igual, para dizer que sou o fruto indicado para chefiar todos os frutos da horta e do pomar. Sou pequena e discreta, é certo, mas tenho a força do carácter e a dureza para impor a lei.


— Eu moro nos lugares baixos da horta — começou por dizer o Melão-casca-de-carvalho — mas a vantagem física do meu porte levará a uma natural obediência.


— A autoridade não é uma questão de físico — interrompeu o Figo-pingo-de-mel. — Eu sou de frágil constituição, mas tenho doçura e essa é uma forma de autoridade que todos aceitarão livremente.


— Concordo com o Figo-pingo-de-mel, mas deve haver uma inclinação natural para a autoridade. A minha linhagem nobre e antiga — disse a Ameixa-rainha-Cláudia — faz circular na minha seiva a necessidade de dirigir e defender os outros. A autoridade está em mim com a mesma naturalidade com que as raízes da ameixoeira estão na terra.


— Não me parece que seja assim. Há raízes que secam... — disse a Maçã-pata-de-boi. — Nos tempos que correm, a autoridade deve ter estatura e, por isso, a minha fortaleza discreta e altiva é um argumento que o Pai-de-todas-as-luzes não pode desprezar.


— Se me permite a palavra — disse o Pêssego-careca — gostava de falar sobre a importância da experiência e da sabedoria no exercício da autoridade. A minha calvície é com certeza sinal de ponderação, fundamental para ultrapassar conflitos e discussões.


— Autoridade rima com virilidade — sentenciou a Uva-coisa-de-galo. — Não é com falinhas mansas que se exerce a autoridade. É necessário ter argumentos..., compreende o meu rei, Luzeiro-de-todos-os-luzeiros? E esses argumentos, eu tenho-os: o meu exército de bagos estará sempre pronto a intervir para que a lei seja cumprida duma forma exemplar.


Ainda outros frutos falaram, mas o Grande Rei Sol não ficou convencido com as razões expostas. Pareceu-lhe que estavam demasiado interessados em mandar e poucos invocaram a preocupação da paz, da justiça e da igualdade entre a família dos frutos.


— Ouvi as vossas palavras e, a seu tempo, tomarei uma decisão.


Despediu-os e retirou-se para pensar mais maduramente. Logo nessa noite, ninguém dormiu. Todos discutiram com todos. Cada um deles esperava vir a ser o escolhido. Passaram-se noites e dias, dias e noites e, ao alvorecer, pensavam sempre que seria aquele o dia em que o Sol iria anunciar a sua escolha. As discussões eram cada vez mais acesas e a impaciência começava a retirar lucidez à maior parte. Todos se vigiavam a todos. Em cada palavra dita havia um ouvido rente às folhas a escutar. O mais pequeno deslize, um erro, qualquer defeito, eram anotados e guardados para, na altura certa, serem jogados em desfavor do rival. Como às vezes acontece no país dos homens, ninguém estava resguardado. Todos estavam expostos diante de todos. Havia naquele pomar uma palavra que pairava, luminosa, sobre a copa de cada uma das árvores: vencer. Vencer eliminando os outros. A Maçã-pata-de-boi, o Melão-casca-de-carvalho e a Uva-coisa-de-galo tinham mesmo já feito uma aliança para tomar o mando pela força.


— Eu dominarei nas alturas e esmagarei a meus pés qualquer fruto que não aceite as leis eficazes que iremos impor — dissera a Maçã-pata-de-boi.


— Eu dominarei ao nível do chão e rebolarei sobre os desobedientes até os esmagar — dissera o Melão-casca-de-carvalho.


— Os espaços intermédios ficam por minha conta. O meu exército de bagos estará vigilante: ninguém falará mais do que aquilo que pode falar, ninguém ousará pensar mais do que aquilo que deve pensar — dissera a Uva-coisa-de-galo.


Foi através da Lua que o Sol soube das conspirações tramadas durante a noite.


— É grande a confusão que reina entre os frutos — disse a Lua. — Todos querem ser rei, mas a nenhum preocupa a igualdade e a protecção dos que habitam o interior pobre da copa.


— Conheço a situação, irmã Lua, e agradeço as tuas palavras. Vai lá, vai! Está na hora de trocarmos de posto. Eu vou abrir o dia no País dos Frutos e convocá-los para anunciar a minha escolha.


E assim aconteceu. Os primeiros raios de sol convocaram os frutos para escutarem a decisão do Grande Rei Sol.


— Ouvi as vossas palavras, guardei-as e, depois de reflexão e conselho, elas parecem-me cheias de vontade de domínio e vazias da intenção de servir. Soube ainda da maquinação de alguns de vós, decididos a tomar pela força o mando sobre todos os frutos da horta e do pomar.


— Aposto que foi a Lua que nos denunciou! Queixinhas...— murmurou entre dentes o Melão-casca-de-carvalho, muito inchado entre as folhas amarelecidas.


O Sol não ouviu o comentário. Apenas a Maçã-pata-de-boi e a Uva-coisa-de-galo trocaram um sorriso amarelo de conivência. E o Sol continuou:


— Por isso, a minha escolha para chefiar o País do Frutos não recai em nenhum dos que manifestaram opinião.


Houve grande agitação e muitos protestos. Alguns figos atiraram-se abaixo, descontentes, e esborracharam-se no chão. Um deles desfez-se sobre o Melão-casca-de--carvalho que logo vociferou:


— Ei, cuidado aí em cima!... Se a Maçã-pata-de-boi se lembra de fazer o mesmo ainda fico com um galo.


— Essa é comigo, ó Melão grandalhão? — disse, mal disposta, a Uva-coisa-de-galo.


Foi tal a agitação e tantas as ameaças que o Sol teve de intervir energicamente. Quando o burburinho acalmou, disse:


— A partir deste dia, declaro a Romã rainha do País dos Frutos.


Houve um silêncio que incomodava e ninguém teve reacção para dizer o que quer que fosse. A Romã nem sabia se havia de dizer alguma coisa ou ficar mergulhada naquele incómodo silêncio que tinha tomado toda a horta. É certo que tinha uma boa aparência e uma coroa real, mas achava-se inábil para o mando. Cheia de rubor no rosto, lá balbuciou algumas palavras:


— Rei Sol, agradeço a confiança e a distinção, mas não me acho capaz de recuperar a paz e a boa convivência entre os frutos. A minha coroa está voltada para baixo e essa não é, entendo eu, uma posição que inspire respeito e imponha autoridade.


— Mas é essa a razão porque decidi escolher-te. A tua coroa indica um caminho de convivência que despreza o orgulho e aponta a direcção da terra humilde e generosa. E essa é a solução para os conflitos surgidos no País dos Frutos. Além disso, tens o dom de retardar o fim do Verão e de guardá-lo dentro de ti para o oferecer às estações futuras.


— Seja como dizes, Altíssimo rei Sol. Rejeitarei a glória de mandar e a direcção da minha coroa apontará o lugar escondido da paz.


III. A ROMÃ BOCA ABERTA


O Sol retirou-se e durante muito tempo não apareceu. Os frutos entenderam que isso era um castigo e decidiram aceitar a Romã como rainha do País dos Frutos. No entanto, mesmo depois de o Sol voltar, estudaram uma artimanha para minar a autoridade da Romã e assim destroná-la: começaram a instigar os grãozinhos que há dentro da romã para se revoltarem. E o certo é que, passado algum tempo, começaram as intrigas entre eles: porque os de cima apanhavam mais sol do que os de baixo, porque os de baixo estavam mais protegidos do sol do que os de cima e coisas deste género. Decidiram organizar-se em grupos, erguer muralhas a separar uns dos outros, procurando cada um desses grupos situar-se dentro da casca da maneira mais favorável. E se a Romã-rainha-de-todos-os-frutos ficou descontentíssima com esta atitude, muito mais descontente ficou o Sol. Como sinal de desagrado enviou um raio fortíssimo que fendeu a casca e abriu ao meio a romã onde tudo começou. Os seus interiores ficaram à mostra e expostos à irrisão dos restantes frutos, que andavam mortinhos por uma oportunidade como esta para ridicularizar a Romã-rainha:


— Olha a boca aberta... — dizia o Figo-pingo-de-mel que devia era estar calado, pois, não raras vezes, padecia do mesmo mal.


— Pintaste os lábios, romã comilã?... — gracejava a Maçã-pata-de-boi.


— Que mau hálito... Podia fechar essa boca imunda... — mangava a Pêra Joaquina.


— Foi um raio que te partiu?... — disse a Uva-coisa-de-galo de cima do seu cacho já muito rosado. E a filharada deu uma risada em cascata que ecoou por toda a horta.


Até o Melão-casca-de-carvalho, gordo como um pipo, levantou os olhos com grande custo para fazer o seu comentário:


— Com que então a menina dos olhos do Sol está de castigo. É da maneira que talvez deixe cair uns grãos dessa frescura vermelha aqui para o vizinho do rés-do-chão.


A Romã-rainha adoeceu de desgosto e todas as outras romãs se sentiam envergonhadas e culpadas por terem cedido à provocação dos outros frutos. Mas nada podiam dizer ou fazer, tão fechadas e repuxadas estavam na sua casca. Veio, enfim, o tempo da colheita. Um a um todos os frutos foram colhidos. Só ficaram os mais enfezados. Esses e a Romã-boca-aberta. Ao chegar junto dela, disse o dono da horta:


— Vou deixá-la para os pássaros.


E ali ficou esquecida, desolada e exposta às bicadas da passarada. Mas, eis que um dia, já quase não sentia qualquer emoção, passou por perto um velho homem. Era um homem triste, de longos cabelos e barba descuidada, que andava pelos caminhos, falava sozinho, dizia versos que ninguém escutava e se alimentava, tal como os pássaros, dos frutos rejeitados ou que ficavam esquecidos nas árvores.


— Que bela romã! O seu sumo aclara o sangue e espalha pela alma a saudade das manhãs frescas e luminosas do Verão...


Colheu-a e sorveu com prazer e lentidão a doçura de todos aqueles grãos. E enquanto era degustada, a Romã-boca-aberta ainda conseguiu escutar as palavras do velho homem:


— Ó Grande Rei Sol, como és sábio, justo e generoso!... És sábio porque ensinaste aos frutos da horta o significado da coroa da romã que aponta o chão. És justo porque castigaste a sua ganância. És generoso porque, procedendo desse modo, proveste ao deleite deste teu servo que assim pode saborear-te sorvendo estes grãos tardios e doces.



Nuno Higino
A Rainha do País dos Frutos
Marco de Canavezes, Cenateca, 2000
A Equipa Coordenadora do Clube das Histórias

Sem comentários:

Loading...