domingo, 28 de outubro de 2007

Centenário do nascimento do poeta Miguel Torga (1907-1995)

Data de nascimento: 12 de Agosto de 1907.
Data de Óbito: 17 de Janeiro de 1995.
Nome original: Adolfo Correia Rocha.
Escritor português natural, de São Martinho de Anta, Vila Real.
Proveniente de uma família humilde, teve uma infância rural dura, que lhe deu a conhecer a realidade do campo, feita de árduo trabalho contínuo.
Após uma breve passagem pelo seminário de Lamego, emigrou com 13 anos para o Brasil, onde durante cinco anos, trabalhou na fazenda de um tio, em Minas Gerais, como apanhador de café, vaqueiro e caçador de cobras.
De regresso a Portugal, em 1925, concluiu o ensino liceal e frequentou em Coimbra o curso de Medicina, que terminou em 1933.
Exerceu a profissão de médico em São Martinho de Anta e em outras localidades do país, fixando-se definitivamente em Coimbra, como otorrinolaringologista, em 1941.
Ligado inicialmente ao grupo da revista Presença, que dele se desligou em 1930, fundando nesse mesmo ano, com Branquinho da Fonseca (outro dissidente), a Sinal, de que sairia apenas um número.
Em 1936, lançou outra revista, Manifesto, também de duração breve. Miguel Torga, tornou-se o poeta do mundo rural, das forças telúricas, ancestrais, que animam o instinto humano na sua luta dramática contra as leis que o aprisionam.
Nessa revolta consiste a missão do poeta, que se afirma tanto na violência com que acusa a tirania divina e terrestre, como na ternura franciscana que estende, de forma vibrante, a todas as criaturas no seu sofrimento.
A sua obra, recheada de simbologia bíblica, encontra-se, antes, imersa num sentido divino que transfigura a natureza e dignifica o homem no seu desafio ou no seu desprezo face ao divino. A ligação à terra, à região natal, a Portugal, à própria Península Ibérica e às suas gentes.
Ela justifica o profundo conhecimento que Torga procurou ter de Portugal e de Espanha, unidos no conceito de uma Ibéria comum, pela rudeza e pobreza dos seus meios naturais, pelo movimento de expansão e opressões da história, e por certas características humanas definidoras da sua personalidade.
A intervenção cívica de Miguel Torga, na oposição ao Estado Novo e na denúncia dos crimes da guerra civil espanhola e de Franco, valeu-lhe a apreensão de algumas das suas obras pela censura e, mesmo, a prisão pela polícia política portuguesa.
Contista exímio, romancista, ensaísta, dramaturgo, autor de mais de 50 obras publicadas desde os 21 anos, estreou-se em 1928 com o volume de poesia Ansiedade. Publicou O Sexto Dia da Criação do Mundo, 1981), Bichos (1940), Contos da Montanha (1941), O Senhor Ventura (1943, Romance), Novos Contos da Montanha (1944), Vindima (1945) e Fogo Preso (1976), entre outros.
Este autor ganhou, entre outros prémios, os seguintes:
Prémio Diário de Notícias (1969);
Prémio Internacional de Poesia (1977);
Prémio Montaigne (1981);
Prémio Camões (1989);
Prémio Vida Literária da Associação Portuguesa de Escritores (1992);
Prémio da Crítica, consagrando a sua obra (1993).
Em 2000, é publicado Poesia Completa.


Trabalho realizado por:
João Palma, 9ºA, nº 15
Mauro Viegas, 9ºA, nº 22

2 comentários:

maria disse...

Belíssimas poesias, de um dos nossos maiores poetas!

Anónimo disse...

Concordo. São poemas muito bonitos.

Loading...